terça-feira, 22 de outubro de 2019




A Autonomia Financeira é um dos rácios financeiros mais utilizado para aferir o risco financeiro das organizações.

Este rácio permite verificar a solidez financeira de uma organização. O seu cálculo baseia-se na seguinte fórmula:

Autonomia Financeira = (Capital Próprio / Ativos) x 100

O rácio é assim apurado pela relação entre os capitais próprios e o ativo de uma Entidade. Ao multiplicarmos por 100 teremos um valor em percentagem. O valor obtido permite-nos compreender qual a percentagem dos ativos que está a ser financiada pelo capital próprio (nível de autofinanciamento da Empresa)

A autonomia Financeira é uma relação muito considerada pelas instituições financeiras (Bancos) e pelas Entidades gestoras de programas de apoio, como por exemplo o IAPMEI.

O rácio da Autonomia financeira traduz-se em valores entre 0 e 1, ou quando expresso em percentagem entre 0 e 100%. Esta relação pode assumir valores negativos, no caso de a Entidade apresentar Capitais Próprios negativos.

No que diz respeito ao risco, quanto menor for a autonomia financeira, maior será o risco que organização apresenta, uma vez que quanto mais próximo de 0, maior será a dependência de capitais alheios.

Os Bancos e as Entidades gestoras de programas de apoio podem exigir níveis mínimos de autonomia financeira às Empresas na concessão de crédito e financiamento de projetos.

Estes níveis mínimos podem depender de sector para sector, de país para país. Será importante a Empresa ter um rácio de autonomia financeira entre os 20% e os 33% (consoante o risco do negócio). Isto significa que os detentores do capital (sócios ou acionistas) acreditam no negócio e que estarão dispostos a assumir uma parte importante do respetivo financiamento com capital próprio.

Uma boa percentagem de autonomia financeira poderá ser também uma ajuda relevante na negociação com o Banco de modo a diminuir os custos do financiamento obtido. Contrariamente quanto menor o nível de autonomia financeira maiores serão os custos bancários.

Nota 1 – o rácio inverso de autonomia financeira é a estrutura de financiamento, calculada pela relação entre o Ativo e o Capital Próprio. Estrutura de financiamento = Ativo / Capital Próprio.


Referências bibliográficas:

Brealey, R.A., Meyers, S.C. & Allen, F. (2007). Princípios de Finanças Empresariais (8ª Edição). Lisboa: McGraw Hill.
Empreendipédia, Dicionário de Educação para o Empreendedorismo (1ªEdição Fevereiro de 2019), gradiva.









Cursos relacionados onde de uma forma prática e de um modo pragmático e objetivo são estudadas as demonstrações financeiras previstas no SNC


 
Curso Prático de Contabilidade e Fiscalidade c/ Informática Aplicada de Acordo com o SNC – Curso Reconhecido pela OCC – 72 Créditos – Lisboa 5 Janeiro - Porto 2 Novembro - Coimbra 27 Novembro

Curso de Especialização em Contabilidade e Fiscalidade – Avançado - Curso Reconhecido pela OCC – 45 Créditos - Porto 28 Setembro

Curso Prático de Controlo de Gestão, Contabilidade de Custos e Orçamental - Curso Reconhecido pela OCC – 36 Créditos – Lisboa 9 Novembro e Porto 26 Outubro

Curso Prático de Excel para Financeiros, Gestores e Contabilistas - Curso Reconhecido pela OCC – 36 Créditos – Lisboa 14 Janeiro 2020 e Porto 13 Novembro

Mini-MBA Finanças Empresariais e Fiscalidade Aplicada – Lisboa 9 Outubro e Porto 26 Outubro

Mini-MBA Alta Performance e Gestão de Negócios – Porto 19 Outubro

Curso Prático de Análise Económica e Financeira de Empresas c/ Informática Aplicada - Curso Reconhecido pela OCC – 54 Créditos – Lisboa 11 Janeiro 2020 e Porto 16 Novembro

Curso Prático de Elaboração e Análise de Projetos de Investimento - Porto 11 Novembro

0 comentários:

Publicar um comentário

Follow me on Twitter!